Reforma Trabalhista: art. 59 – horas extras, banco de horas e acordo de compensação, como ficou

Reitero o que tenho dito nos textos anteriores: trabalha melhor quem mais conhece as regras. Isso serve para empregados e empregadores. A relação de emprego é uma das raras possibilidades na qual quando empregados e empregadores conhecem as leis e estão dispostos a cumpri-las – é o recomendado, sem restrições -, a relação tende a perdurar e com boa qualidade, pois ninguém perde.

Então meu caro leitor, nunca é demais repetir: joga melhor quem conhece as regras. O trabalho é sim uma espécie de jogo, o jogo da vida, já que o trabalho dignifica o indivíduo. Sei que são clichês, mas são bons clichês. Não é apenas retórica, mas fato. Acredite.

Leia mais sobre isso no texto “Por que é tão emocionante conhecermos a Consolidação das Leis do Trabalho?”, aqui.

Bom, vamos ao que interessa. Estamos diante de mais um artigo reformado, desta feita trata-se do art. 59, que trata de horas extras, compensação ou banco de horas.

Vamos entender as mudanças? Mas antes convido-o para ler a lei seca – direto da CLT. Por que isso é importante? Porque você poderá tirar as suas próprias conclusões. Pois só assim poderá concordar, discordar ou ainda acrescentar outros aspectos sobre o tema, com fundamentação.

Muito bom.

ARTIGO ORIGINAL

Art. 59 – A duração normal do trabalho poderá ser acrescida de horas suplementares, em número não excedente de 2 (duas), mediante acordo escrito entre empregador e empregado, ou mediante contrato coletivo de trabalho.

§ 1º – Do acordo ou do contrato coletivo de trabalho deverá constar, obrigatoriamente, a importância da remuneração da hora suplementar, que será, pelo menos, 20% (vinte por cento) superior à da hora normal.

§ 2º Poderá ser dispensado o acréscimo de salário se, por força de acordo ou convenção coletiva de trabalho, o excesso de horas em um dia for compensado pela correspondente diminuição em outro dia, de maneira que não exceda, no período máximo de um ano, à soma das jornadas semanais de trabalho previstas, nem seja ultrapassado o limite máximo de dez horas diárias.

§ 3º Na hipótese de rescisão do contrato de trabalho sem que tenha havido a compensação integral da jornada extraordinária, na forma do parágrafo anterior, fará o trabalhador jus ao pagamento das horas extras não compensadas, calculadas sobre o valor da remuneração na data da rescisão.

§ 4º Os empregados sob o regime de tempo parcial não poderão prestar horas extras.

ARTIGO REFORMADO

Art. 59.  A duração diária do trabalho poderá ser acrescida de horas extras, em número não excedente de duas, por acordo individual, convenção coletiva ou acordo coletivo de trabalho.

§ 1º A remuneração da hora extra será, pelo menos, 50% (cinquenta por cento) superior à da hora normal.

§ 2º Poderá ser dispensado o acréscimo de salário se, por força de acordo ou convenção coletiva de trabalho, o excesso de horas em um dia for compensado pela correspondente diminuição em outro dia, de maneira que não exceda, no período máximo de um ano, à soma das jornadas semanais de trabalho previstas, nem seja ultrapassado o limite máximo de dez horas diárias.

§ 3º Na hipótese de rescisão do contrato de trabalho sem que tenha havido a compensação integral da jornada extraordinária, na forma dos §§ 2o e 5o deste artigo, o trabalhador terá direito ao pagamento das horas extras não compensadas, calculadas sobre o valor da remuneração na data da rescisão.

§ 4º (Revogado).

§ 5º O banco de horas de que trata o § 2o deste artigo poderá ser pactuado por acordo individual escrito, desde que a compensação ocorra no período máximo de seis meses.

§ 6º É lícito o regime de compensação de jornada estabelecido por acordo individual, tácito ou escrito, para a compensação no mesmo mês.”

A Reforma mudou a redação, mas mantendo a essência do caput, alterou o § 1º, preservou o § 2º, mudou a redação do § 3º, revogou o § 4º, e acrescentou os §§ 5º e 6º.

Começando pelo caput do art. 59. Não há novidades, somente troca de palavras, com o objetivo de tornar o preceito mais claro, mais objetivo. Isso significa que o limite para realização de horas extras não poderá exceder ao limite de duas horas, por dia, mediante acordo individual, convenção coletiva ou acordo coletivo de trabalho.

Já o § 1º, traz a primeira – sem trocadilho – novidade. Trata-se do aumento do percentual que deverá ser acrescido à hora normal, quando da realização de horas extras. Antes, o percentual era apenas de 20%, com a reforma, passou para 50%. Assim, se o trabalhador recebe R$ 10,00, por uma hora normal, receberá R$ 15,00, por um hora extra. Simples assim.

O § 2ª, por sua vez, passou incólume pela Reforma. O que significa, se acordado em convenção ou acordo coletivo de trabalho, horas trabalhadas além do horário normal, poderão compor banco de horas, para posterior gozo. Ou seja, “num período, o trabalhador é convocado para prestar serviços em mais uma ou duas horas suplementares; noutro período, deixará de trabalhar as horas normais em número correspondente ao das horas extras – SAAD (2014), “de modo que a média das jornadas no período máximo de um ano não ultrapasse a jornada legal” – LIMA (2017). Ou seja, carga horária regulamentar anual não poderá ser menor do que o total de horas extras realizadas no mesmo período.

Ressalta-se que, no caso de trabalhador menor de 18 anos, lhe é vedado acordo individual para realização de horas extras, mas liberado por acordo ou convenção coletiva, nas condições dos demais casos – art. 413, da CLT.

Dito isso, avante.

A exemplo do caput, o § 3º sofreu também melhorias, mantendo a obrigação do pagamento das horas extras não compensadas, na ocasião da rescisão do contrato de trabalho, tendo como base de cálculo o valor da remuneração, na data do desligamento.

Como já observado, o § 4º foi revogado. Quer dizer, os empregados sob regime de tempo parcial podem fazer horas extras, limitado a 6 horas por semana, desde que a carga horária semanal seja igual ou menor que 26 horas. Saiba mais aqui.

O § 5º foi incluído e temos uma novidade importante, pois o empregado sozinho, sem o auxílio de sindicato, poderá fazer acordo escrito com o empregador, no sentido de fazer banco de horas – acumular horas extras para posterior compensação – desde que o tempo para o gozo não ultrapasse a seis meses. Houve, portanto, uma flexibilização para a admissão do banco de horas.

Já o § 6º, também incluído, flexibiliza ainda mais o § 5º, uma vez que permite regime de compensação por acordo individual além do escrito, o acordo tácito – vamos dizer assim no “fio do bigode” ou acordo não formal – desde que a compensação das horas extras seja feita no mesmo mês.

Então, o que você achou das mudanças?

Na verdade, a grande novidade é a maior flexibilização para realização de acordos individuais. LIMA (2017) acredita que essa facilidade – acordo individual escrito ou tácito – deixa o trabalhador vulnerável.

O trabalhador teve seu poder de decisão ampliado. Agora poderá negociar diretamente com o empregador. Além disso, a compensação de horas extras, a Reforma também possibilitou outros acordos, como fracionamento de férias, jornada de trabalho, os quais veremos no detalhe em textos específicos.

Daí a insistência para que tanto empregado quanto o empregador tomem ciência das regras que formalizam a relação de emprego, para que essa relação possa durar, com a qualidade desejada, ou seja, sem um se aproveitar do outro. Lembre-se do clichê: que conhece as regras joga melhor.

A vulnerabilidade a qual LIMA (2017) se referiu só ocorre por ignorância do trabalhador ou do empregador acerca da legislação. Dito isso, apresento-lhe um princípio para reflexão: a vulnerabilidade é proporcional ao conhecimento da legislação trabalhista. Dito de outra forma, quanto menos você conhece as regras mais vulnerável se torna e a sua capacidade de realizar um acordo legal, é menor. Assim, a vulnerabilidade é algo que está sob controle tanto do empregado quanto do empregador. Pode-se dizer que é uma questão de escolha? Acredito que sim, afinal, a informação nunca esteve tão disponível.

Ademais, ninguém poderá se desculpar desconhecer a lei. Aliás, é o que preceitua o Decreto-Lei nº 4.657/942 -Lei de Introdução às normas do Direito Brasileiro – LINDB, em seu art. 3º:

Art. 3º Ninguém se escusa de cumprir a lei, alegando que não a conhece.

Você pode questionar que há trabalhadores, com baixa escolaridade ou nenhuma, que não tem como se livrar de maus empregadores. E como fazer nesses casos?

Concordo com o questionamento. Não tenho solução para a situação, pois é de enorme complexidade. No entanto, há as instituições como MPT – Ministério Público do Trabalho, MTE – Ministério do Trabalho e Emprego, os sindicatos, ONG’s, entre outras, responsáveis pela inspeção das condições de trabalhos Brasil à fora. O certo, é também um clichê, mas fato, que enquanto a educação de qualidade não chega a todos a situação não mudará. Exceto que empregadores que exploram empregados resolvam parar com a prática. Como são em menor número, é mais fácil conscientizá-los.

Enquanto isso, trabalho e torço para que melhore qualidade do ensino e que um dia, todos os trabalhadores possam ler e entender seus contratos de trabalho.

Saí do foco, mas por necessidade.

Voltando assunto.

Ressalta-se ainda que “o trabalhador deve ter acesso ao controle dessas horas, sob pena do Poder Judiciário poder declarar a nulidade do sistema e compensação, e o ônus de provar que o trabalhador tinha acesso é da empresa, que pode, por exemplo, colocar o saldo de horas no contracheque, de modo a comprovar a ciência do colaborador” – MELEK (2017).

Outra forma de comprovação de controle de banco horas é demonstrar que os empregados tem acesso a sistemas computadorizados, por meio de senha, pelo qual faz o controle das horas.

SILVA (2017) nos alerta para a situação na qual “muitos trabalhadores se queixam de que seus bancos de horas estão sempre negativos […] a explicação mais comum para esse fenômeno é o fato de que, desde que esse sistema especial de compensação de jornada foi adotado no país, as empresas deixam de lado os critérios de abono de ausências e atrasos – mesmo aqueles pequenos, de 5 a 10 minutos – e passaram a lançar tudo no banco; assim, quando o empregado se atrasa  5min, antigamente a empresa relevava ou aplicava alguma advertência, mas não havia nenhum desconto; com o banco, ela lança o tempo no rol dos débitos e, de grão em grão, as contas ficam sempre apertadas.” Saiba mais sobre tolerância aqui.

Portanto, não adianta o empregado fazer horas extras com intenção de reduzir sua jornada de trabalho, se não cumpre o horário, chegando atrasado ou saindo mais cedo. O banco fará a compensação, e se não for bem administrado o trabalhador nunca alcançará o tempo pretendido. Portanto, além de realizar as horas extras é fundamental entrar e sair no horário correto.

Outro ponto refere-se aos empregados domésticos os quais também podem fazer acordo individual com o empregador para compensação de horas extras, de acordo com a Lei Complementar n. 150/2015, art. 2º, § 4º.

Art. 2o A duração normal do trabalho doméstico não excederá 8 (oito) horas diárias e 44 (quarenta e quatro) semanais, observado o disposto nesta Lei.

§ 1º A remuneração da hora extraordinária será, no mínimo, 50% (cinquenta por cento) superior ao valor da hora normal.

§ 2º O salário-hora normal, em caso de empregado mensalista, será obtido dividindo-se o salário mensal por 220 (duzentas e vinte) horas, salvo se o contrato estipular jornada mensal inferior que resulte em divisor diverso.

§ 3º O salário-dia normal, em caso de empregado mensalista, será obtido dividindo-se o salário mensal por 30 (trinta) e servirá de base para pagamento do repouso remunerado e dos feriados trabalhados.

§ 4º Poderá ser dispensado o acréscimo de salário e instituído regime de compensação de horas, mediante acordo escrito entre empregador e empregado, se o excesso de horas de um dia for compensado em outro dia.

§ 5º No regime de compensação previsto no § 4º:

Pois bem. Resumindo tudo: A Reforma manteve o limite de duas horas extras diárias, mantendo a possibilidade de acordo individual ou por convenção ou acordo coletivo de trabalho. Aumentou o percentual de remuneração da hora excedente de 20% para 50%. Preservou a composição de banco de horas, ou seja, ao invés do trabalhador receber o em pecúnia, poderá compensar com folgas, que terão que ser realizadas durante o ano ou semestre ou dentro do mesmo mês, dependendo do tipo de acordo entre empregado e empregador ou mesmo por força de acordo ou convecção coletiva de trabalho. As horas extras que não foram compensadas até a rescisão de contrato, serão pagas, na própria rescisão, tendo como base de cálculo a remuneração na data do desligamento. Possibilitou a realização e horas extras por trabalhador em regime de tempo parcial. E que os acordos ou convenções coletivas podem ser firmados –  casos de compensação anual -, acordos individuais podem ser feitos por escrito – nos casos de compensação semestral – ou por escrito ou tácitos – para os casos de compensação das horas dentro do mesmo mês no qual foram realizadas.

Como vimos, sem mistérios, não é mesmo?

Como de praxe, sempre procuro simplificar o entendimento do artigo analisado. Evidentemente que não tenho a pretensão de exauri-lo.

Espero, portanto, que tenha esclarecido as maiores dúvidas. No entanto, se ainda assim restar alguma, ou mesmo encontrar alguma inconsistência, ou mesmo fazer críticas de qualquer natureza – não esquecendo de fundamentá-la -, entre em contato imediatamente comigo pelo formulário de comentários do blog – abaixo -, ou pelo endereço https://www.facebook.com/advogadosergioramos, https://www.instagram.com/advogadosergioramos, https://sergioramosadvogado.jusbrasil.com.br, ou pelo e-mail advogadosergioramos@gmail.com, ou ainda pelo celular: 69-9333-6326.

BIBLIGRAFIA

Lima, Francisco Meton Marques de – Reforma trabalhista : entenda ponto por ponto / Francisco Meton Marques de Lima, Francisco Péricles Rodrigues Marques de Lima. – São Paulo : LTr, 2017.

SAAD, Eduardo Gabriel – Consolidação das Leis do Trabalho : comentada / Eduardo Gabriel Saad. – 47. Ed. Atual., rev. e amp. por José Eduardo Duarte Saad, Ana Maria Saad Castelo Branco. – São Paulo : LTr, 2014.

MELEK, Marlos Agusto – Trabalhista! O Que mudou? Reforma Trabalhista 2017 / Marlos Augusto Melek. – Curitiba, Estudo Imediato, 2017.

SILVA, Homero Batista Mateus da – Comentários à reforma trabalhista / Homero Batista Mateus da Silva. – São Paulo : Editora Revista dos Tribunais, 2017.

2 comentários em “Reforma Trabalhista: art. 59 – horas extras, banco de horas e acordo de compensação, como ficou

  1. Uma hora extra trabalhada em dias de semana ou em um sábado e domingo, terão o mesmo peso em crédito ou débito no banco de horas?
    Para o caso de compensação em horas, não em valor.

    Curtir

    1. Olá Eliane Campos Machado,
      Obrigado pelo seu questionamento.
      Infelizmente sim, ou seja, uma hora trabalhada em feriado ou domingo, desde que seja jornada em regime de revezamento – caso contrário seria hora extra -, vale somente uma hora no banco de horas.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s